Um aviso aos desavisados:

Esse blog é descompromissado, pode ser que não tenha postagens sempre, mas se tiver algo é sempre no DOMINGO.

E Capcom não me processa por usar tanto Mega Man.

Procure aqui:

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Nintendo Entertainment System (NES) vs. Sega Master System(SMS): qual o melhor console da era dos 8 bits?


O NES e o Master System foram os dois principais videogames de terceira geração, lugar hoje ocupado pelos consoles de sétima geração Play Station 3 e XBOX 360.

A "guerra" entre Nintendo e Sega atingiu seu ápice na era dos 16 bits, com o Super Nintendo e o Mega Drive disputando o mercado norte-americano. No entanto, a rivalidade já vem desde a geração anterior, tendo o NES e o Master System como combatentes.

Quem chegou primeiro ao mercado foi o videogame de 8 bits da Nintendo, chamado de Famicom no Japão. Teve um sucesso moderado até a chegada de "Super Mario Bros.", quando a popularidade do videogame explodiu.

Nos Estados Unidos, conseguiu espantar até mesmo o descrédito do mercado com relação aos videogames, que passaram a ser um produto malvisto desde o chamado "crash dos videogames", em 1983.

Nesse tempo, a Sega lançou vários consoles, até se estabelecer com o Sega Mark III, videogame que foi a base do Master System. Chegando depois ao mercado, a Sega encontrou um sistema de videogame estabelecido, tanto no Japão como nos Estados Unidos.

Rumo a novos mercados

A saída para a Sega foi explorar lugares onde a Nintendo não chegou, como a Europa. No Brasil, a Tectoy apostou no Master System e se deu muito bem, garantindo um lugar especial no coração dos gamers tupiniquins.

O NES chegou por aqui através de clones, como o Phantom System da Gradiente. Ironicamente, a companhia formaria, junto com a fabricante de brinquedos Estrela, a Playtronic, que representou a Nintendo de 1993 a 2003. Assim, finalmente o NES veio por vias oficiais.



NES VS. MASTER SYSTEM


NES

MASTER SYSTEM
Lançamento
. 15/07/1983 (Japão)
. 18/10/1985 (EUA)
. 1993 (Brasil)
. 20/10/1985 (Japão)
. 06/1986 (EUA)
. 1989 (Brasil)
O que é?
Primeiro console da Nintendo com cartuchos, fez enorme sucesso no Japão e, nos Estados Unidos, foi capaz de afastar a desconfiança do mercado em relação aos videogames desde o "crash" de 83 e 84.
Trata-se de uma versão remodelada para os EUA do videogame Sega Mark III, que, por sua vez, vem de uma série de consoles de 8 bits da Sega. Foi o primeiro videogame lançado pela Tectoy e é vendido até hoje.
Diferencial do hardware
O plano da Nintendo era criar um videogame de alta performance e barato. O NES tem um processador customizado, especializado nas funções que um videogame exige em detrimento de aplicações genéricas de um computador.
A versão japonesa do videogame tinha um módulo de som FM, que acrescentava nove canais de som (ou 11, dependendo da modalidade). É praticamente a tecnologia usada no Mega Drive, que sucedeu o Master System.
Jogos e séries marcantes
Série "Super Mario Bros.": foi um dos maiores responsáveis pelo sucesso do NES e hoje é a franquia que mais deu dinheiro para a Nintendo. "Mario 3" é um dos jogos mais vendidos de todos os tempos.

Franquia "The Legend of Zelda": outra grande criação de Shigeru Miyamoto. O game é tão especial que seu cartucho era na cor dourada. O segundo jogo era fora dos padrões, mas mesmo assim possui muitos fãs.

"Metroid": dos clássicos da Nintendo, é um dos mais "low profile", mas há uma legião de fãs mundo afora.

Série "Mega Man": lembrado pela sua alta dificuldade, o robozinho azul da Capcom virou um dos personagens mais icônicos dos games e rendeu seis jogos somente no NES.

Franquias "Dragon Quest" e "Final Fantasy": dois dos maiores franquias de RPGs da atualidade nasceram no NES. Foram quatro "Dragon Quest" e três edições de "Final Fantasy" no console de 8 bits.

Série "Ninja Gaiden": é um dos títulos mais famoso da Tecmo e rendeu uma trilogia no Nintendinho. Depois, o ninja Ryu foi parar em outros consoles mais modernos.

Franquia "Castlevania": a franquia dos monstros sanguessugas da Konami também estreou no NES, com três edições no total. A produtora ainda fez "Contra", "Gradius" e "Tartarugas Ninja".
Série "Alex Kidd": o herói de macacão vermelho e amarelo pode ser considerado uma das primeiras mascotes da Sega e protagonizou sete jogos.

Franquia "Sonic": o ouriço terrestre nasceu no Mega Drive, mas também emplacou bons jogos no Master System. "Sonic Blast" chegou até mesmo a "simular" gráficos em 3D.

"Phantasy Star": além de iniciar uma série de RPG que ficaria famosa - hoje em dia é um game online e multiplayer -, foi o primeiro jogo traduzido para o português do Master System.

"Zillion": ok, o jogo não é lá essas coisas, mas pode ser considerado um dos maiores sucessos multimídia da Sega. O termo "Zillion" originalmente remete a um brinquedo de pistola e receptor, usados para simular jogos de combate, e a um popular desenho animado. Pegando carona no anime, exibido no Brasil pela Rede Globo e então Rede Gazeta, o game e o acessório de pistola do Master System ganhou impulso no país.

Jogos brasileiros: tudo bem que, no começo, os jogos nacionais, como "Mônica no Castelo do Dragão" e "Chapolim x Drácula - Um Duelo Assustador" eram apenas uma "skin" de games já existentes - ou seja, apenas o gráfico era trocado, mantendo-se a mecânica do original -, mas, mais tarde, a Tectoy fez, do zero, "Férias Frustradas do Pica-Pau". Além disso, o Master System recebeu uma improvável conversão de "Street Fighter II", também feita pela Tectoy.
Momentos "fail"
Numa época em que as localizações de jogos não eram assim tão profissionais, "Metal Gear" teve sua história tão modificada que não se encaixa no cânone da série. A continuação "Snake's Revenge" é pior ainda, não respeitando nem o estilo de jogo. O criador da série, Hideo Kojima, desconsidera esses dois games.

A produtora Tengen não era licenciada pela Nintendo, mas fazia jogos para NES. Foi acionada judicialmente pela Big N, mas venceu nos tribunais. Assim, abriu caminho para que outras produtoras lançassem jogos sem a devida licença.
Apesar de ter tido boa aceitação na Europa e Brasil, apanhou feio do NES nos principais mercados: EUA e Japão (lançado originalmente como Sega Mark III). Na América, onde foi vendido por uma subsidiária da Hasbro, nunca conseguiu fazer a Nintendo ter menos que 83% do mercado de games.

O Master System (exceto o japonês) possui uma peculiaridade: um botão de pausa que fica no console, em vez de estar no controle. Isso, por si só, já é estranho, mas piorava ainda mais por estar ao lado botão de Reset. Imaginem quantas partidas foram perdidas na hora da pressa...
Momentos de superação
"Metal Slader Glory" é um dos games mais épicos do NES: levou quatro anos para ser produzido, ocupa 8 megabits (é o maior jogo do videogame) e possui um chip extra para efeitos especiais.
"Street Fighter II" pode ser considerado uma das conversões mais surpreendentes do Master System. Poucos imaginariam ser possível levar um jogo dessa complexidade num console de 8 bits, mas a Tectoy foi lá e fez - e muito bem.
Acessórios curiosos
ROB: trata-se de acessório em forma de robô que faz ações dependendo das sequência de flashes na TV. Teve vida curta e apenas dois jogos, mas foi uma jogada de gênio da Nintendo ao lançá-lo junto com o NES, já que os lojistas estavam com o pé atrás depois do "crash dos videogames" de 1983. O acessório fez o NES ser visto como um brinquedo, em vez de um console de jogos.

Disk System: lançado apenas no Japão, é um leitor de discos magnéticos. Recebeu diversos clássicos, como "The Legend of Zelda", mas todas as vantagens do aparelho passaram a ser realizadas com cartuchos expandidos com memória alimentada por pilhas (para gravar os "saves") ou com chips de som.

Power Glove: essa luva com direcionais e botões pode ser considerado o tataravô do Wii Remote, já que trazia um sistema reconhecimento de gestos. No entanto, era impreciso demais para ser funcional.
Controle de seis botões: baseado num joypad do Mega Drive, esse controle foi inventado pela Tectoy para ser usado com "Street Fighter II".

Light Phaser: o NES também tinha um acessório em forma de pistola, mas a do Master System virou mania devido ao sucesso do desenho "Zillion".

Óculos 3D: esse também não era uma exclusividade do Master System, mas ficou muito mais popular (a versão para NES saiu apenas no Japão). O acessório gerava um efeito de profundidade e era compatível com "Space Harrier 3-D", "Zaxxon 3-D", "Out Run 3-D" e outros cinco games.

Expansão de som FM: lançado apenas no Japão para o Sega Mark III, no qual o Master System foi baseado, é um acessório que acrescenta nove ou 11 canais de som ao videogame. Segundo a Sega, cerca de 40 jogos usaram o aparelho, entre eles "After Burner" e "Phantasy Star".
Vendas mundiais
62,9 milhões
13 milhões

Fonte: OUL.

Agora é sua vez, vote na enquete da lateral do blog e de sua opinião de qual dos consoles é melhor. (enquete encerrada)